Hérnia não tratada.

Hérnia não tratadaEmbora qualquer pessoa de qualquer idade possa ter uma hérnia, idosos, fumantes e obesos têm uma chance muito maior de desenvolvê-la. Como por exemplo o Presidente Bolsonaro, que em 2019 se submeteu a uma cirurgia de hérnia incisional, e outra em 2021 para a correção da mesma hérnia, na região do intestino. Pessoas que já foram submetidas a cirurgia podem ser mais suscetíveis a hérnias. E é de extrema importância tratá-la a fim de não desencadear outros problemas de saúde.

Quanto ao motivo do desenvolvimento de hérnias, elas podem surgir tanto por causa de cirurgia anterior, lesão, doença, levantamento de peso ou gravidez; na maioria dos casos, as hérnias são idiopáticas (ou seja, nenhuma causa pode ser identificada) – e resultam de um ponto fraco que ocorre naturalmente na parede abdominal com o qual uma pessoa nasce.

Embora as hérnias não sejam letais ou possam causar danos graves, isso não significa que devam ser subestimadas. Eles podem causar dor e limitações de atividades. E a realidade é que algumas hérnias podem causar lesões graves que podem até levar à morte. Caso as hérnias forem tratadas de maneira adequada e reparadas cirurgicamente, a vida pode voltar ao normal e os riscos podem ser minimizados. Já uma hérnia não tratada envolve mais riscos potenciais e pode levar a danos graves.

As hérnias não são diferentes de outros problemas que experimentamos na vida – elas tendem a piorar ou aumentar se não forem tratadas de forma adequada. Os sintomas leves podem se tornar mais graves, possivelmente evoluindo para complicações subestimadas. Em caso de suspeita de hérnia, deve-se consultar com um médico especialista rapidamente.

Muito embora seja verdade que a restrição de atividades (evitar exercícios físicos pesados ​​e esforço) pode reduzir a gravidade dos sintomas, uma hérnia não pode se curar sozinha. Na verdade, a única maneira eficaz de lidar com uma hérnia é o uso de cirurgia para reparo.
Em alguns casos, as hérnias param de crescer, mas nunca ficam menores. Em alguns casos extremos, as hérnias podem se tornar tão grandes que a cavidade abdominal pode entrar em colapso – tornando o reparo muito mais difícil. De qualquer forma, é melhor tratar, portanto, uma hérnia enquanto ela é relativamente pequena a esperar até que ela cresça de tamanho. Hérnias menores geralmente são mais fáceis de reparar e o tempo de recuperação desses tipos de cirurgias pode ser muito mais curto.

Conforme as hérnias aumentam, elas se tornam mais suscetíveis ao encarceramento e estrangulamento. O último geralmente envolve o sangue sendo impedido de fluir livremente para o tecido, o que pode levar à morte do tecido. Esse processo pode levar à morte ou ruptura de partes de órgãos (ambos geralmente requerem cirurgia de emergência).

Tentar tratar uma hérnia estrangulada pode ser muito mais arriscado e complicado do que tratar uma hérnia normal; Além disso, a recuperação pode demorar muito mais e o risco de recorrência é maior.

Algumas pessoas presumem que só porque não estão experimentando nenhum sintoma significativo ou incômodo, a hérnia de que sofrem não deve ser um problema muito grande. E essa percepção pode até levar essas pessoas a acreditar que ignorar a hérnia é o melhor.
As hérnias não tratadas podem não apenas continuar aumentando de tamanho, mas também podem se tornar mais difíceis de controlar, mais desconfortáveis, mais dolorosas e, no pior dos casos, com risco de vida.

Embora qualquer pessoa de qualquer idade possa ter uma hérnia, idosos, fumantes e obesos têm uma chance muito maior de desenvolvê-la. Como por exemplo o Presidente Bolsonaro, que em 2019 se submeteu a uma cirurgia de hérnia incisional, e outra em 2021 para a correção da mesma hérnia, na região do intestino. Pessoas que já foram submetidas a cirurgia podem ser mais suscetíveis a hérnias. E é de extrema importância tratá-la a fim de não desencadear outros problemas de saúde.

Hérnia não tratada pelo Bolsonaro

Quanto ao motivo do desenvolvimento de hérnias, elas podem surgir tanto por causa de cirurgia anterior, lesão, doença, levantamento de peso ou gravidez; na maioria dos casos, as hérnias são idiopáticas (ou seja, nenhuma causa pode ser identificada) – e resultam de um ponto fraco que ocorre naturalmente na parede abdominal com o qual uma pessoa nasce.

Embora as hérnias não sejam letais ou possam causar danos graves, isso não significa que devam ser subestimadas. Eles podem causar dor e limitações de atividades. E a realidade é que algumas hérnias podem causar lesões graves que podem até levar à morte. Caso as hérnias forem tratadas de maneira adequada e reparadas cirurgicamente, a vida pode voltar ao normal e os riscos podem ser minimizados. Já uma hérnia não tratada envolve mais riscos potenciais e pode levar a danos graves.

As hérnias não são diferentes de outros problemas que experimentamos na vida – elas tendem a piorar ou aumentar se não forem tratadas de forma adequada. Os sintomas leves podem se tornar mais graves, possivelmente evoluindo para complicações subestimadas. Em caso de suspeita de hérnia, deve-se consultar com um médico especialista rapidamente.

Muito embora seja verdade que a restrição de atividades (evitar exercícios físicos pesados ​​e esforço) pode reduzir a gravidade dos sintomas, uma hérnia não pode se curar sozinha. Na verdade, a única maneira eficaz de lidar com uma hérnia é o uso de cirurgia para reparo.
Em alguns casos, as hérnias param de crescer, mas nunca ficam menores. Em alguns casos extremos, as hérnias podem se tornar tão grandes que a cavidade abdominal pode entrar em colapso – tornando o reparo muito mais difícil. De qualquer forma, é melhor tratar, portanto, uma hérnia enquanto ela é relativamente pequena a esperar até que ela cresça de tamanho. Hérnias menores geralmente são mais fáceis de reparar e o tempo de recuperação desses tipos de cirurgias pode ser muito mais curto.

Conforme as hérnias aumentam, elas se tornam mais suscetíveis ao encarceramento e estrangulamento. O último geralmente envolve o sangue sendo impedido de fluir livremente para o tecido, o que pode levar à morte do tecido. Esse processo pode levar à morte ou ruptura de partes de órgãos (ambos geralmente requerem cirurgia de emergência).

Tentar tratar uma hérnia estrangulada pode ser muito mais arriscado e complicado do que tratar uma hérnia normal; Além disso, a recuperação pode demorar muito mais e o risco de recorrência é maior.

Algumas pessoas presumem que só porque não estão experimentando nenhum sintoma significativo ou incômodo, a hérnia de que sofrem não deve ser um problema muito grande. E essa percepção pode até levar essas pessoas a acreditar que ignorar a hérnia é o melhor.
As hérnias não tratadas podem não apenas continuar aumentando de tamanho, mas também podem se tornar mais difíceis de controlar, mais desconfortáveis, mais dolorosas e, no pior dos casos, com risco de vida.

DESTAQUES

O blog disponibiliza informações confiáveis e científicas, que atendem ao propósito de melhorar sua qualidade de vida e bem-estar, com a curadoria do Dr. Stenio Meirelles.